sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Eu faço da vida

Eu, o que faço da vida?
Não faço da vida bela
Faço da vida; vida.
Não escondo que sinto por ela
E que me enfraqueço na despedida

Que da vida fiz tanto choro
E tão arrependida
Final do ano chega
Cenas já repetidas
Amargo, fosco e poço
Fundo a capital caída
Cavando até a água
Lavando suas feridas
Ao meu lado há tanto afago
Amor, amor és vida
Vida para todos os segundos ouço
Vem logo minha querida!

Tão fácil fazer de novo
Sorriso cobre por fora
Choro dentro do ovo
Se preciso, pra te fazer feliz
Casca resiste ao fogo
Dureza é fazer da vida
Algo que o tempo não deu consolo

Me apresso e faço cessar
A lágrima que dilacera
A alegria era sincera
Você distrai a tristeza
Vida ganha em beleza
Minutos sem melancolia
Tudo que faço da vida hoje em dia
É de outra dimensão
Entendes isso ou não?
Artista tão magistral
Me encara com força tal
Aprende mais uma lição
Eu faço da vida, vida
Ela imensidão.

Francisco Braz Neto(23/12/2016)
  

Eu sou o fotógrafo!

Eu sou o fotógrafo!
Essa foto me enche de orgulho. Eu acho que ficou perfeita.